Mato Grosso do Sul pode ser o primeiro estado do país a atingir imunidade coletiva

Please enter banners and links.

Destaque nacional na distribuição e aplicação das doses contra a Covid-19, Mato Grosso do Sul pode se tornar o primeiro estado a chegar na imunidade coletiva e até a imunizar toda a sua população, prevê o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende. 

Nos próximos dias, o ranking de vacinação deverá dar um salto, com a imunização de 150 mil moradores de 13 municípios da fronteira com o Paraguai e a Bolívia.

“Além das 105 mil doses que estamos recebendo hoje [24], da Coronavac, Janssen e Pfizer, teremos uma remessa de 40 mil doses até o dia 28. Serão quase 300 mil vacinas, o que certamente nos colocará na primeira posição na aplicação da D1 [primeira dose] e D2 [segunda dose], e consequentemente seremos o primeiro estado a imunizar toda a sua gente”, frisou Resende.

O envio para a fronteira é referente aos 5% das 3 milhões de doses da Janssen que devem chegar nesta sexta-feira ao País. Produzida pelo grupo Johnson & Johnson, este imunobiológico é de dose única e eficácia de 85% para casos graves de Covid-19 e proteção completa contra hospitalização e morte pela doença.

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde (SES), o repasse de doses extras faz parte de estudo do Vaccine Effectiveness in Brazil Against Covid-19 (Vebra Covid-19). 

Liderado pelo infectologista e pesquisador Julio Croda, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a pesquisa vai analisar o impacto da vacinação em massa em pessoas entre 18 a 50 anos nas 13 cidades de fronteira do Estado, após 14 dias de dose única da Janssen.

“Vamos conseguir vacinar toda a população acima de 18 anos muito rapidamente e vamos comparar a redução de casos e óbitos pré e pós intervenção, contrapondo com outras cidades do Estado que tenham características parecidas e que não estão na fronteira”, relatou Croda.

Segundo o infectologista, a pesquisa vai checar, ainda, como a imunidade de rebanho vai atuar em relação às crianças, que não receberão essa vacina. Croda estimou que, em duas semanas, todo o público elegível da pesquisa será vacinado.

“Depois disso, vamos aguardar duas semanas para ver a diferença em relação ao número de casos de óbitos e internações. Vamos comparar também com quem recebeu outros imunizantes”, disse o pesquisador.

Além de acompanhar os índices de síndromes respiratórias agudas graves (Srag) por meio dos testes RT-PCR, Croda relatou ao Correio do Estado que este será o primeiro estudo de vacinação em massa com a Janssen, em um contexto com a nova variante gama (antiga P.1), descoberta em Manaus (AM).

“Com certeza [vai ajudar a acelerar a vacinação em MS], somos um Estado pequeno, e essa quantidade de doses vai fazer toda a diferença”, salientou Croda. Conforme o infectologista, mais de 20 pesquisadores estarão envolvidos na análise. Cabe à SES determinar o início da vacinação.

Os municípios que vão fazer parte do estudo de vacinação em massa são Mundo Novo, Japorã, Sete Quedas, Paranhos, Coronel Sapucaia, Aral Moreira, Ponta Porã, Antônio João, Bela Vista, Caracol, Porto Murtinho, Corumbá e Ladário.

FRONTEIRA SECA

Ao Correio do Estado, o prefeito de Ponta Porã, Helio Peluffo (PSDB) afirmou que, com os repasses, o município deve aplicar as vacinas da Janssen também em brasiguaios, moradores com dupla nacionalidade. 

Isso deve acontecer porque existem mais cartões do Sistema Único de Saúde (SUS) emitidos para Ponta Porã do que a população estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE).

Conforme o prefeito de Ponta Porã, o IBGE aponta uma estimativa populacional de 94 mil habitantes, enquanto há 120 mil atendidos pelo sistema público de saúde na cidade. “E ainda temos por volta de 10 a 15 mil estudantes de medicina e seus familiares, e é por isso que já havíamos solicitado os repasses extras à fronteira”, reiterou.

Com os repasses da Janssen, Peluffo acredita que toda a população adulta de Ponta Porã poderá ser imunizada contra o coronavírus. O prefeito salientou, ainda, que após encerrar essa etapa de vacinação em massa, o município deve deixar de receber novas doses da Coronavac e Janssen.

“Provavelmente, vamos passar o que seria a nossa cota de vacinas para os outros municípios. Em um segundo momento, vamos lutar para que possamos continuar recebendo doses para os trabalhadores fronteiriços que transitam de um lado para o outro”, disse Peluffo.

AGILIDADE

Por meio das redes sociais, o secretário municipal de Saúde de Corumbá e presidente do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde (Cosems-MS), Rogério Leite, afirmou que toda a população adulta do município será vacinada com a dose única da Janssen em menos de uma semana.

“Teremos a oportunidade de fazer a imunização de toda a nossa população em um breve espaço de tempo, em torno de cinco dias para dar essa segurança e saúde para toda a nossa cidade”, disse.

A estratégia de imunização contará com oito pontos de vacinação, sendo quatro fixos e quatro em drive-thrus. Os locais de aplicação das doses ainda serão definidos pela prefeitura de Corumbá.

(*) Informações: Correio do Estado

Foto reprodução: Sejusp

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *